Iniciar sessão

Aqui há Ciência! Oeiras Projetos

11-09-2014

Aqui há Ciência! Oeiras

O Projeto Aqui há Ciência! é promovido pelo Município em parceria com o Instituto Gulbenkian de Ciência (IGC) / Fundação Calouste Gulbenkian e pelo Instituto Superior Técnico (IST) e cofinanciado pelo QREN, correspondendo à designação Operação LISBOA-01-0527-FEDER-000738. Foi executado nos anos letivos 2011/2012 e 2012/2013 nas EB1/JI do Alto de Algés e de Porto Salvo e tem como finalidade promover a literacia científica junto do pré-escolar e do 1.º Ciclo.

O Projeto Aqui há Ciência! pretende contribuir para a formação de cidadãos cientificamente literatos capazes de se adaptarem a um mundo em mudança e de participarem na resolução de problemas e na tomada de decisão sobre questões sociais que envolvem a tomada de decisão sobre matérias que envolvem a ciência e a tecnologia. O alcance dessa finalidade é assegurada através da promoção do ensino experimental das ciências e do envolvimento das crianças em atividades laboratoriais que pretendem relacionar os conhecimentos e a linguagem científica com experiências e atividades do quotidiano.

A metodologia adotada para o desenvolvimento do Projeto é a inquiry-based learning que se apoia nas práticas de ensino experimental e obriga à construção de sequências de exploração pedagógica de temas com planos de aulas, guiões de atividades para professores e para alunos para a utilização de materiais. Os temas que designam essas atividades podem referir-se aos da vida quotidiana mas a abordagem será sempre de carácter científico obrigando as crianças e alunos ao registo das observações, do percurso de investigação que vai realizando e as discussões sobre os resultados obtidos.

As sessões de formação e os guiões de experiências são direcionados ao pré-escolar e aos 4 anos de escolaridade do 1.º CEB e estão em conformidade com o curriculum do Pré-Escolar e do 1.º CEB. Correspondendo à área de intervenção de cada um dos Institutos, o trabalho do IGC incidiu sobre as matérias das ciências da vida e do IST incidiu sobre a física dos materiais e tecnologia.

No biénio 2011/2013, 88 professores beneficiaram de 54 ações de formação e de monitorização para a transposição para o contexto de sala de aula. Fruto dessa transposição, 336 crianças do pré-escolar e 1664 alunos do 1.º Ciclo dos Agrupamentos de Escolas de Miraflores e Aquilino Ribeiro puderam realizar experiências utilizando materiais, reagentes e seguindo protocolos concebidos e/ou adaptados para a sua faixa etária e nível de conhecimentos.

A formação para educadores e professores desenvolvida no âmbito do Projeto “Aqui há Ciência!” foi registada pelo Centro de Formação de Escolas do Concelho de Oeiras e está certificada junto do Conselho Científico-Pedagógico da Formação Contínua na modalidade projeto.

Para além do contributo para o desenvolvimento intelectual e cognitivo dos alunos e crianças, o projeto destaca-se por variados aspetos inovadores que terão contribuído grandemente para a formação dos docentes:

a) Foram desenvolvidas atividades experimentais e formação profissional para os professores/educadores de raiz, e totalmente em Português, em oposição à tradução de atividades existentes noutras línguas, para estes ciclos escolares.

b) As atividades experimentais foram adaptadas às realidades das escolas beneficiárias, envolvendo, com esse objetivo, os professores das escolas. Os guiões concebidos para estas atividades contemplam conteúdos que resultam transversais e podem ser trabalhados nas diferentes disciplinas e domínio do curriculum.

c) Esta intervenção alinha os Projetos das Escolas do Concelho com a natureza do tecido empresarial instalado no território e com as tendências do ensino a nível internacional.

d) Pelo IGC, houve um envolvimento direto de investigadores no desenvolvimento e implementação (realização) das atividades nas escolas.

e) No caso do IST, a experiência acumulada ao longo de vários anos de trabalho em escolas do 1º ciclo do Ensino básico e do pré-escolar, foi desenvolvida e aplicada às escolas envolvidas.

Ainda assim, importa reforçar e generalizar as atividades do Projeto a outras Escolas do Concelho para que a médio prazo mais crianças e alunos possam beneficiar destas práticas de ensino (porquanto esta apela à capacidade das crianças e alunos para questionar e tomar decisões informadas) e para minorar o impacto que a mobilidade dos docentes produz na instalação destas mesmas práticas.

A continuidade do Projeto Aqui há Ciência consubstanciará a segunda fase de execução e dependerá inteiramente de verbas municipais. No biénio 2011/2013, o Município aplicou €103.228,00 (dos quais €35.595,00 serão ressarcidos através do FEDER) para assegurar a presença dos meios técnicos e humanos necessários para o desenvolvimento do Projeto.